Sessão Naval a Céu Aberto

Há 10 anos a ARLS Barão de Mauá nº 3521 realizou o evento em navio “Mestre dos Mares”

Publicada por Gosp

Publicada em 20/12/2021

Há 10 anos, na noite de 20 de dezembro de 2011, sob uma resplandecente Lua Quarto Minguante que ostentava brilho em sua face direita, a A.R.L.S. Barão de Mauá nº 3521 jurisdicionada ao G.O.S.P. (e federada ao G.O.B. na época), realizou uma Sessão Naval a céu aberto em pleno navio “Mestre dos Mares” fundeado ao centro da baía de Santos. 

 

A data escolhida foi proposital em virtude do solstício de verão e do aniversário de 97 anos da implantação do Rito Brasileiro. Mesmo ocorrendo a céu aberto a Sessão foi realizada coberta de vistas profanas, não colocando em risco os augustos mistérios da Maçonaria. 

 

Na oportunidade foi adotado um ritual próprio, adaptado às tradições militares e navais, resguardando e exaltando a essência Maçônica com fulcro no Rito Brasileiro.

 

Diversas Autoridades Maçônicas estiveram presentes, entre eles o Sapientíssimo Grão-Mestre Geral Adjunto do G.O.B. Claudio Roque Buono Ferreira; o Eminente Grão-Mestre Estadual da época e o Poderoso Conselheiro Federal do G.O.B. e Grande Regente do Supremo Conclave do Brasil Walter Alexandre Ferraz.

 

Todos os presentes foram agraciados com patentes militares simbólicas considerando-se a equivalência entre os cargos existentes no R.G.F., no que tange a distribuição entre a 1ª e 6ª faixas e a hierarquia tradicional da Marinha do Brasil.

 

Um exemplo: O Sapientíssimo Grão-Mestre Geral Adjunto por pertencer à 5ª faixa fez jus à patente simbólica de Almirante-de-Esquadra, enquanto que o Eminente Grão-Mestre Estadual pelo fato de pertencer à 4ª faixa foi homenageado como Vice-Almirante, Oficiais Generais da Marinha do Brasil. Na simbologia da Sessão os Aprendizes eram os Marinheiros, os Companheiros eram os Cabos, os Mestres eram Sargentos e os Mestres Instalados e Autoridades eram os Oficiais, conforme a equivalência de suas faixas com o R.G.F.

 

A Sessão fora presidida pelo “Capitão-de-Fragata” Irmão Orlando Rollo, Venerável Mestre da A.R.L.S. Barão de Mauá, contando com o apoio de todos os “marinheiros de seu navio”.

 

Foram apresentados três trabalhos: O “1º Sargento” André Cardoso expôs uma peça de arquitetura sobre os 97 anos de implantação do Rito Brasileiro; o “1º Sargento” Alex Ochsendorf apresentou uma obra sobre o Solstício de Verão; e o “Capitão-de-Fragata” Orlando Rollo discorreu sobre a História da Maçonaria Naval.

 

O pavilhão nacional, além das bandeiras do G.O.B. e do G.O.S.P. foram hasteadas no mastro do navio, para serem devidamente saudadas com a formação de uma guarda de honra, em que seus membros estavam munidos de espadas originais da Marinha de Guerra do Brasil.

 

O ponto forte da Sessão foi sem dúvida à ritualística empregada, principalmente no que concerne aos cerimoniais, sendo que todos os comandos da Sessão eram emanados através de apitos navais originais em conformidade com as tradições.

 

Ao fim da Sessão houve uma linda queima de fogos precedida pela saudação com um canhão original do início do século passado que disparou do navio três salvas: em homenagem ao Supremo Conclave do Brasil para o Rito Brasileiro, ao Grande Oriente de São Paulo e ao Grande Oriente do Brasil.

 

Posteriormente a Sessão, ouviu-se o hino oficial da Marinha Brasileira, o “Cisne Branco” e todos se dirigiram embarcados até a paradisíaca Ilha das Palmas, sede social do Clube de Pesca de Santos, uma ilha localizada na baía de Santos, onde puderam desfrutar uma inesquecível ágape fraternal, cujo prato principal era frutos-do-mar e muita alegria!

 

Juntamente ao GOSP. a ARLS Barão de Mauá, planeja em breve uma reedição deste evento histórico.